Algumas considerações iniciais

Tentarei manter uma regularidade nas postagens, mas não combinarei prazos. Por ser uma das válvulas de escapes utilizadas por mim, deixarei que este blog seja alimentado de acordo com a inspiração, e não com o calendário.

Gosto dos comentários. Não são, para mim, apenas um sinal de popularidade, como a maioria dos blogs que vejo. Eles têm um significado maior, que é o de saber como as pessoas que aqui estão pensam sobre os assuntos que comento. Portanto, fique à vontade para escrever. Na medida do possível, responderei a cada um deles.

segunda-feira, 8 de agosto de 2011

ONDE ISSO VAI PARAR?



Que as coisas não vão bem em diversos campos, isso é notório para todos. A saúde agonizando, educação precária, profissionais mal remunerados, desmotivados, falta de estrutura e equipamentos. Parece ser sempre o mesmo blá, blá, blá. Mas entre as diversas mazelas sociais que ocorrem neste pobre rico país, uma me chama mais a atenção: a segurança pública.

Não irei entrar no mérito do sucateamento das polícias, da falta de efetivo, dos míseros salários pagos em alguns estados, transformando a profissão em um subemprego, em uma última opção de trabalho. Isso também já é senso comum, notícia corriqueira. O que mais preocupa dentro da segurança pública é a inversão de valores que ocorre atualmente.

Entendo perfeitamente o espírito da Constituição de 1988. Ela foi elaborada por pessoas que vivenciaram situações de extremo abuso de poder, sobretudo pelos militares. Entendo também que a polícia de outrora era por demais politizada, entranhada em um sistema brutal e corrupto, servindo a interesses de um ou outro grupo que se revezava no poder. Tudo isso contribuiu para que um conjunto de leis mais rígidas no que tange o controle de abusos fosse criado. Além disso, a proliferação de políticas voltados aos interesses de defesa dos direitos humanos tornou-se uma realidade indissociável de qualquer lei que porventura seja criada.

O que está acontecendo nos dias atuais é justamente uma inversão de valores. A cada dia novas leis penais são criadas, favorecendo que opta pelo mundo crime. Brechas legais são utilizadas por experientes advogados para postergar condenações. Policias, ao contrário do que dita a lei, são praticamente considerados culpados até que se prove a inocência.  Militantes dos direitos humanos confortam famílias de presos, mas não auxiliam famílias de policiais mortos no cumprimento do dever. O próprio Estado paga auxílio reclusão de R$ 798,30 para famílias de detentos, enquanto briga para que o salário mínimo fique em R$545,00 e, ao mesmo tempo, tira todas as gratificações do policial da ativa que teve que se aposentar por invalidez em decorrência de acidente em serviço.

Onde está, afinal, a real defesa dos Direitos Humanos? Ela só existe para um lado da moeda? Cadê o Estado que não está vendo que as pessoas estão perdendo o principal de seus direitos, que é a liberdade? Como ter qualidade de vida se ela vem desacompanhada da sensação de segurança? Por onde andam os direitos dos cidadãos de bem de possuírem seus bens sem a preocupação de ter que escondê-los? Até quando vamos suportar infratores com mais de trinta passagens pela polícia soltos nas ruas e cometendo os mesmos crimes?

O Brasil marcha, perigosamente, para um caminho sem volta. Não gera votos investir em segurança pública. Não gera mídia o esforço para que um novo modelo de segurança seja implantado. As coisas não vão bem e a tendência é piorar. Os bandidos debocham de todo o sistema penal, a polícia e a justiça estão cada vez mais amarradas por leis criadas sem um mínimo critério, os presídios caríssimos não recuperam mais ninguém. Muitas questões, nenhuma ação e o sangue de gente inocente sendo derramado sem respingar nos detentores do poder, já que para eles o sistema não falha, pois vivem num país paralelo, com carros blindados, seguranças particulares e condomínios de luxo.

É isso.  


Obs: para ilustrar, segue vídeo mostrando o quanto um bandido e seu advogado se importam com a justiça. 



8 comentários:

Lílian Rodrigues disse...

Oi, Victor! Nossa,toda essa falha gigante neste sistema medíocre q temos, nos causa relmente uma revolta inefável. A vida perdeu o sentido, quando se trata de impor a lei. Políticos corruptos, demagogos, que criam-na mas não a exerce, salvo em benefício próprio. Quando são comparados como lixo, indgnam-se. Mas qual o motivo desta indignação, não é mesmo? Lixo é tão útil para nós, pode ser reciclado; através dele famílias adquirem seu sustento, tem gerado emprego a muitas delas. Concerteza não podem ser comparados a algo tão valioso, tão digno. Esta revolta descabível contra o lixo q mal nenhum os fez, é lamentável. Piores q lixo, lixo tem valor, eles não! Por isso o sangue de muita gente, Victor, vai continuar sendo derramado, infelizmente. País sem lei, de políticos analfabetos e criminosos. Salve-se quem puder!Parabéns mais uma vez! Apoio seu ponto de vista. Arrasou!

Celia Regina Freitas disse...

Sinceramente esta pergunta é muito difícil de se respondida. É revoltante certas coisas que temos que ouvir e ver (vídeo). Todo o significado da palavra MORAL fica sem sentido, sem nexo. Em nossas leis existem brechas, nas quais as autoridades acham espaços para que casos lamentáveis como este fiquem impunes.
Um abraço
Celia Regina

Vitão disse...

Oi Lilian!

Brigadao pelo comentário. Daqui a pouco você vai virar colunista, de tanto que escreve bem!

Vitão disse...

Olá, Celia!
Muito obrigado pela leitura do texto e pelo comentário.
Enquanto não se enxergar o ser humano de bem, as leis serão desta forma. Enquanto se questionar uso de algema ao invés de desvios de milhões do ministério do turismo, as coisas irão de mal a pior.
Abraços.

Lili & Paty disse...

Seu texto instiga a pensar. Gostei.
Abraços Lili

Guilherme Freitas disse...

Victor concordo com ti em todos os aspectos. As leis do Brasil são muito brandas. Aqui bandido é tratado como pobrezinho. Os direitos humanos servem para proteger a sociedade, mas aqui no Brasil tem gente que acha que bandido pobre não deve ser preso. O que vemos é isso ai, mais mortes, assaltos e violência. A lei tem que ser severa, como nos EUA e na China. Ladrões saindo da cadeia pela porta da frente porque pagam fiança. É hora de mudar a lei, senão vamos ir para um caminho muito ruim. Abraços.

Vitão disse...

Oi Lili,

Brigado pela visita. Parabéns pelo blog, já li praticamente todo. Volte sempre!

Vitão disse...

Olá Guilherme!

Está cada vez pior e parece-me que nem a sociedade e muito menos a classe política tem interesse em fazer alguma coisa. O investimento em segurança pública se resume a obrar grandicosas, como sedes de direções da polícia, que só chamam atenção da mídia, mas que não resolvem nada.

Abraços.