Algumas considerações iniciais

Tentarei manter uma regularidade nas postagens, mas não combinarei prazos. Por ser uma das válvulas de escapes utilizadas por mim, deixarei que este blog seja alimentado de acordo com a inspiração, e não com o calendário.

Gosto dos comentários. Não são, para mim, apenas um sinal de popularidade, como a maioria dos blogs que vejo. Eles têm um significado maior, que é o de saber como as pessoas que aqui estão pensam sobre os assuntos que comento. Portanto, fique à vontade para escrever. Na medida do possível, responderei a cada um deles.

sexta-feira, 30 de novembro de 2012

ESCRAVO E SENHOR DAS PALAVRAS





"O homem é dono do que cala e escravo do que fala. Quando Pedro me fala sobre Paulo, sei mais de Pedro que de Paulo." Deparei-me com essa espetacular citação de Freud, postada por um colega em uma rede social e me surpreendi com tanto conteúdo em tão poucas palavras. Como é nobre esse poder de sintetizar toda uma situação em duas linhas! Como é genial provocar uma reflexão em nosso comportamento falando tão pouco!

Bem, voltando ao assunto da citação, muitas vezes nos vemos em meio a um mundo de fofocas, de jogos de intrigas, de invejas. E lá está aquele tipo de pessoa má, que não perde uma oportunidade para cutucar, para denegrir, para fazer um pré-julgamento, para incitar todos contra um alvo que não tem a mínima chance de defesa. E muitos de nós embarcamos nesse jogo, nos tornamos “inimigos” de alguém que sequer conhecemos. De uma hora para outra passamos a não gostar de uma pessoa, como se ela tivesse feito coisas terríveis. 

Há um caminho para evitar que isso aconteça? Sim, há. Não só um caminho, mas algumas alternativas. A mais simples, e talvez a que ofereça uma solução paliativa apenas, é tirar de seu convívio a pessoa que age dessa forma. Resolve por um lado, já que evita o contato com gente assim, mas não é uma solução, digamos, altruísta. O outro caminho possível é manter essa é pessoa por perto, ignorando esse tipo de conversa e desmotivando atitudes assim. Mostrar que esse tipo de comportamento em nada engrandece, em nada acrescenta, pelo contrário, só gera inimizades, só traz consequências danosas.

Falar dos outros, procurar sempre a culpa do lado de lá, deixar de olhar para si, nada mais é do que uma espécie de defesa, defesa de pessoas fracas, de pessoas infelizes, pessoas com questões mal resolvidas. É justo deixar essas pessoas se afundarem ainda mais? Há quem não ligue, há quem ache que o melhor caminho é se afastar. Não concordo. Acredito ser possível mudar comportamentos com exemplos, com ações, com palavras. Não custa tentar. É bom acreditar na mudança de alguém, acreditar que podemos tirar uma pessoa de uma situação ruim, mostrar a ela que há um caminho diferente do rancor, do ódio indiscriminado.

Quer seja Pedro, quer seja Paulo. Fazer o bem sem olhar a quem, como já dizem as vovós por aí. Releve algumas coisas, vale até mesmo engolir um sapo aqui, outro ali, evitando conflitos que não levam a lugar algum. Durma tranquilo sabendo que não alimenta ódio por ninguém, que tentou fazer seu melhor sem interesses em obter vantagens. A vantagem maior é ter sua consciência limpa sempre.

É isso. 




11 comentários:

Lilian Rodrigues disse...

Parabéns meu amigo! Concordo plenamente contigo. Não custa nada tentar fazer o bem, tentar ser diferente dos outros que estão ao lado da maldade. Lindo texto!

Vitão disse...

Olá Lílian,

Muito obrigado por comentar! Vamos tentando fazer o bem, quem sabe isso não dá certo um dia, não é?

Volte sempre!

Mulher na Polícia disse...

Não sei se você tá sempre se superando e eu sempre repetitiva, mas acho que este é de todos o melhor texto teu que já li.

: )

Parabéns Vitão, não só pelo texto, mas pelas qualidades humanas do autor.

Clap, clap, clap!!!

Vitão disse...

Oi Novinha,

Nossa, quanta honra receber elogio assim! Fico muito feliz por ter gostado, esse texto aí saiu numa tacada só, nem reli depois que escrevi....

Brigadão pelo comentário e pelo elogio... volte sempre (e volte mesmo!)

Beijos!

Ygor matheus Pacheco disse...

Alteralidade. É isso !

Ygor matheus Pacheco disse...

Alteralidade. É isso !

Unknown disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Unknown disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Unknown disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Daniel A R F disse...

Façamos o mal, porque o mal é a felicidade da maioria dos homens. Rimos das desgraças dos outros, fixamos nossa atenção para fofocas com um sentimento de surpresa e fascino, pensamos o mal para quem esta bem na vida quando a nossa não vai tão bem, nos orgulhamos e inferiorizamos alguém por nossa posição, aparentemente, mais elevada. Disto sentimos prazer e disto sofremos. Como disse Sartre, o inferno são os outros.
Mas, não devemos desanimar. O auto-conhecimento impede que nos ofendamos com estas coisas, nos faz exemplo para alguns e repele quem é mal de espírito. Talvez percamos algumas amizades, contudo ficará mais fácil encontrar amigos fiéis e leais, que mesmo errando algumas vezes, se desculpam e entende o seu lado também. Podemos alimentar essa amizade para até a morte, mantendo seus valores e preceitos para uma morte sem arrependimentos. Em oposição a Sartre, parafraseando Leandro Karnal, professor de universidade, ao mesmo tempo em que o inferno esta nos outros, o paraíso também esta.

Márcia Cristina Simaan disse...

Parabéns ao Vítor pelo texto excelente, e aos demais, pelos comentários enriquecedores. Gostei muito!