Algumas considerações iniciais

Tentarei manter uma regularidade nas postagens, mas não combinarei prazos. Por ser uma das válvulas de escapes utilizadas por mim, deixarei que este blog seja alimentado de acordo com a inspiração, e não com o calendário.

Gosto dos comentários. Não são, para mim, apenas um sinal de popularidade, como a maioria dos blogs que vejo. Eles têm um significado maior, que é o de saber como as pessoas que aqui estão pensam sobre os assuntos que comento. Portanto, fique à vontade para escrever. Na medida do possível, responderei a cada um deles.

quinta-feira, 17 de novembro de 2011

MURRO EM PONTA DE FACA



Ditadinho antigo, do tempo da vovó, que sempre vem com um significado contemporâneo, com encaixe perfeito em diversas situações cotidianas. Dar murro em ponta de faca é, em simples palavras, persistir naquilo em que se sabe ser errado o resultado. É a teimosia em sua forma mais terrível, ou seja, não abrir mão de um ponto de vista ou de uma ação em prol de um conceito ou atitude que se sabe equivocado, sem possibilidade de sucesso, em prol de um orgulho imbecil.

E quantas vezes, caro amigo, não nos vemos em situações assim, apostando em relacionamentos, empregos, atitudes, opiniões, que são considerados errados por nós mesmos e que ainda assim são alvos de veemente defesa? Qual será o motivo de tamanha insistência? Qual será o resultado que se pretende agindo assim, contra tudo e contra todos, não sendo necessário nenhum dom de vidência para saber como será o desdobramento final?

Não faço apologia ao comodismo, não mesmo! As pessoas devem sim exercitar uma boa dosagem de insistência, persistência, até mesmo uma teimosia moderada. Mas isso não pode significar falta de percepção das consequências. Muitas coisas são previsíveis, pode-se antever qual será o resultado. E por que persistir nisso? Alimentar o orgulho, provocar reações em outras pessoas (ou ao menos tentar) ou vingar-se não devem ser razões para agir contra a consciência.

Em diversos casos é preciso admitir o erro, admitir a derrota, usá-los como fonte de crescimento, de entendimento, de evolução. Não é válido canalizar os sentimentos ruins como força para atacar o que fez mal. Nosso tempo por aqui é curto para insistir no que já fez mal um dia. O novo deve ser experimentado, pessoas diferentes, situações distintas, tudo isso como forma de revigorar, de se livrar de situações maléficas.

Talvez seja inerente ao ser humano passar por crises de Homer Simpson, tomando choque atrás de choque e insistindo em colocar o dedo na tomada, sem propósito algum. Mas essas crises devem ser minimizadas, devem ser analisadas com um pouquinho de razão para que não se tornem repetitivas. Por que sofrer de novo? Por que não ter de novo? Por que não ser de novo? Vale mesmo pagar o preço que o orgulho vai cobrar no futuro ou é melhor deixar de lado e partir pra outra? Fica o questionamento para os amigos que tiveram paciência de ler até aqui.

É isso. 

9 comentários:

Lílian Rodrigues disse...

Tem razão Victor! Todos os dias eu dou murro em ponta de faca e em vários aspectos da minha vida. Vc tem uma dica para q se aprenda a desapegar daquilo que insistimos em levar pra frente? Bom, tenho q deixar sempre registrado aqui o meu bordão q faz a jus a você: Arrasou Vitão!! Bjos

Vanessa disse...

Era tudo o que eu precisava ouvir hj...Sábias palavras!

Vitão disse...

Olá Lílian,

Mais uma vez, muito obrigado por comentar.

Bom, a dica para desapegar é começar a enxergar que nossa vida é muito curta para insistirmos em erros que noa façam mal. Ainda que a decisão afete muito nossas vidas, sempre é tempo de dar um basta, causar uma revolução e ser feliz!!!

Beijos!!

Vitão disse...

Olá Vanessa,

Que bom que o texto lhe fez bem. Fico feliz quando consigo tocar o coração de alguém com estas poucas palavras que escrevo aqui.

Volte sempre, beijos!

Marina disse...

Mais uma vez um texto EXCEPCIONAL Vitão.
Escreve muito bem. Temos que trocar ideias, pois acho que pode me ajudar.

Parabéns.

Vitão disse...

Oi Marina,

Obrigado pelo elogio aí.... ué, precisando de conversar, só falar... deixa um contato aí... volte sempre!

Mulher na Polícia disse...

Oi Vitão...

"Talvez seja inerente ao ser humano passar por crises..."

Se vale a pena insistir. Não sei. Mas eu, normalmente, sou a única a pular do barco. Não sei se isso é uma vantagem ou um defeito.

Beijo!

isaias vieira disse...

pena que o tempo passa rápido demais,e a gente acaba percebendo um tanto tarde,mas ainda é tempo de repensar em algumas atitudes e ponto de vista

Guilherme Freitas disse...

Pois é Victor, utilizando outro ditado: “persistir no erro é burrice”. As vezes somos teimosos e queremos ver até onde vai determinada ação. Eu mesmo cansei de dar murro em ponta de faca e na maioria das vezes quebrei a cara. Mas faz parte do nosso aprendizado de vida. Abraços.