Algumas considerações iniciais

Tentarei manter uma regularidade nas postagens, mas não combinarei prazos. Por ser uma das válvulas de escapes utilizadas por mim, deixarei que este blog seja alimentado de acordo com a inspiração, e não com o calendário.

Gosto dos comentários. Não são, para mim, apenas um sinal de popularidade, como a maioria dos blogs que vejo. Eles têm um significado maior, que é o de saber como as pessoas que aqui estão pensam sobre os assuntos que comento. Portanto, fique à vontade para escrever. Na medida do possível, responderei a cada um deles.

domingo, 12 de junho de 2011

AMOR INCONDICIONAL


“Um cachorro não precisa de carrões, de casas grandes, ou roupas de marca, um graveto esta ótimo pra ele. Um cachorro não se importa se você é rico ou pobre, inteligente ou idiota, esperto ou burro, dê seu coração pra ele e ele lhe dará o dele. De quantas pessoas você pode falar isso? Quantas pessoas fazem você se sentir raro, puro e especial? Quantas pessoas fazem você se sentir... extraordinário?”

São com estas palavras, ditas no excepcional filme “Marley & Eu”, que inicio mais uma conversa. Ter um cachorro próximo é uma experiência que todos deveriam viver. Apesar de saber que não é uma verdade, tento crer que existem apenas duas categorias de pessoas: as que amam os cachorros e as que ainda não os conhecem a ponto de desenvolver este sentimento.

Quem tem ou teve este prazer de compartilhar parte da vida com um cão, vai compreender perfeitamente as linhas que se seguem. Somente quem conhece sabe ver nos olhos daquele animalzinho o tanto de amor que ele sente por seus donos, o sentimento de proteção que ele desenvolve, a necessidade de dar e receber afeto pelo maior tempo possível. É a essência do amor puro, incondicional, sem desejo de algo em troca.

É somente nesta relação que você observa todos os fundamentos pregados por muito aí, fundamentos que as pessoas deveriam seguir, mas não conseguem por motivos diversos, que já estão impregnados na nossa alma. Os humanos jamais atingirão o patamar da pureza dos cães. Ali você enxerga o perdão verdadeiro, reconhece a alegria por sua presença.

Quem você conhece que te admira o tempo todo? Que tenta quebrar as barreiras da comunicação para tentar te entender? Que arrisca a vida para te defender de situações perigosas? De onde acha que nasceu o conceito de lealdade? Veio dali, caro amigo, da relação que o cão tem com seu dono, isso sim é fidelidade, é respeito, é carinho.

Não passe desta vida sem uma experiência assim. Quando der, adote um cachorrinho, traga para seu cotidiano um amigo de verdade. Funciona de maneira oposta aos relacionamentos entre humanos. Geralmente a gente começa bem e vai conhecendo os defeitos, vai se decepcionando. Já com os cães é ao contrário. No início pode ser um pouco difícil, a adaptação tem problemas, mas com o tempo você verá que suas apostas não foram em vão, que sua vida foi pequena até o momento em que você se deixou levar por uma das experiências mais emocionantes de sua vida.

É isso.

Obs: Além do "Marley & Eu', recomendo também outro filme chamado "Sempre ao seu lado", com Richard Gere. Este texto é em homenagem a Cely, uma das coisas mais lindas que já ocorreram em minha vida.Na foto aí ela aparece com sua nova amiga, Laurinha (clone do cachorro dos Simpsons), sobrevivente da tragédia na região serrana do Rio.

9 comentários:

Regina disse...

oi Vitão,

belo texto, concordo totalmente!!!

não é à toa que aqui temos 7 deles

rsrs

Viver o amor incondicional é o que Cristo quer que vivamos com o próximo, e que às vezes é tão difícil

um bjo

Objetivo 75 disse...

aDOREI O TEXTO E VOU INDICAR NO MEU BLOG BJOSSSSSSSSSSSSSS]

Tiburciana disse...

ADOREIIIIIIIIIIIIII
VOU INDICAR NO MEU BLOG
BJOS E SAUDADES

Tiburciana disse...

adorei o texcom como sempre !!!
coisa de fã rsrs
bjos e saudades

Vitão disse...

Olá Regina!

Ter cachorro é bom demais. Pena que muita gente não gosta e ainda tem uns otários que maltratam... só espero que não façam isso na minha frente, senão a coisa fica feia....

Beijos

Vitão disse...

Oi Tibi...

Que bom que gostou! Apareça sempre!
Bjos

Luana Gabriela disse...

Victor, que legal seu comentário lá no blog e obrigada pelo email também!

Vim conhecer teu espaço e gostei muito da forma como coloca suas opiniões. Parabéns! Mesmo este texto falando de um tipo de amor que eu não sinto (o amor pelo animais) deixo claro que não gosto de bichos de estimação mas acho um absurdo mau tratá-los, sei que esse amor incondicional só existe por parte de Deus às suas criaturas, seja humanos, bichos, etc!

Parabéns pelo blog!!

E sinta-se sempre à vontade lá no Marginálias.

Abç

Vitão disse...

Olá Luana!

Obrigado pela visita. Realmente não são todos que gostam de animais, mas quem dera se ao menos as pessoas respeitassem, não maltratassem os pequenos.

Pode deixar que agora virei um leitor assíduo seu também!

Até mais...

M.enal.i disse...

Muito lindo isso! :)